NAUFRÁGIO ALICE
 
Histórico
O vapor Alice de 840 toneladas deixou o porto de Recife, PE. no dia 25 de junho de 1899 com destino a Mossoró no Rio Grande do Norte onde foi carregado de sal destinado à companhia de Salinas, com sede no Rio de Janeiro. Já a caminho da capital escalou na Paraíba onde recebeu duas mil sacas de algodão.
No final do dia 19 de agosto deixou o porto da Paraíba com destino ao sul. Logo depois de
transpor a barra, o vapor começou a fazer água e os esforços, comandados pelo capitão Sr. Francelino Duarte, não surtiram efeito.
Diante da impossibilidade de esgotar a água do navio, que entrava em grande proporção, foi dada ordem de guinar. A intenção era volta ao porto
e caso não fosse possível imbicar o vapor na praia.
Porém, já não havia mais tempo para o Alice. A cerca de 4 milhas ao sul da barra e a 3,5 milhas da praia do Bessa em João Pessoa, o Alice afundava com a proa voltada para terra.
Quando não havia mais esperanças de salvar o navio, o comandante e a tripulação passaram aos botes e atingiram em segurança o porto de Cabedelo, PB. no meio do dia 20.
O casco da embarcação assentou no fundo a 14 metros de profundidade permanecendo apenas com os mastros e as vergas fora d´água.
 

Cabeço de amarração e suporte do escaler.
 

DADOS BÁSICOS

Nome do navio: Alice

Data do afundamento: 1899

LOCALIZAÇÃO

Local: João Pessoa

UF: PB.

País: Brasil

Posição: 3,5 milhas da praia do Bessa.

Latitude: 07 03' 08" sul

Longitude: 034 46' 07" west

Profundidade mínima: 07 metros

Profundidade máxima: 12 metros

Motivo do naufrágio: vazamento

DADOS TÉCNICOS
Tipo de embarcação: Vapor Construção: 1866 - Ponta de areia.
Material do casco: aço Propulsão: hélice
Tonelagem: 840 Comprimento: 53 metros. Boca: 6,6 metros.

Condições atuais: desmantelado

 
Segundo alguns autores, porém sem comprovação documental, o Alice foi lançado ao mar com o nome de Mariana em 10.10.1866 para a firma Francisco Gustavo de Oliveira Roxo e João Domingos de Oliveira.
O vapor foi fretado pelo governo brasileiro para transportar tropas brasileiras na guerra contra o tirano do Paraguai.
A 30 de março de 1869, nele embarcou o príncipe imperial Gastão de Orleans (Conde d'Eu), para assumir o comando em chefe do exército brasileiro. Chegou a Montevidéu em 5 de abril de 1869.
Sobre as condições em que ocorreu o naufrágio; existem diversas versões intrigantes, mas ainda nenhum relato com confirmação de fontes primárias.
 

Compartimento junto as máquinas
 

Uma das âncoras (almirantado).
 

 
Descrição
É o navio mais próximo da praia do Bessa, João Pessoa e por isso, com a água mais turvas. Este cargueiro está caído no fundo sobre o costado de estibordo, apenas a proa e popa mantém alguma integridade, o restante da embarcação está desmantelado.

A proa do Alice esta adernada, em apenas alguns metros estão duas âncoras do tipo almirantado, um grande guincho, quatro turcos, adriças e cabeços de amarração. Sob o casco da proa, pode ser tentada uma pequena penetração.
Para trás da proa, o navio encontra-se totalmente desmantelado, apresentando um costado ainda com cabeços e murada, parte do costado oposto com suas vigias; no meio do navio pode ser visto o cavername e um grande guincho de estilo pouco comum, talvez trate-se de máquinas de um guindaste.

 

Guincho de âncora Cabeço-de-amarração Turcos Âncora almirantado Guincho de carga caldeiras principais Caldeira auxiliar máquinas a vapor Condensador Arco do leme, hélice e leme Cabeço-de-amarração
 

Arco do leme e o hélice
 
A meia nau estão aglomeradas duas caldeiras cilíndricas e suas câmaras de condensação, uma à frente e a outra atrás das caldeiras, onde também estão as máquinas do navio. Parece tratar-se de um Duble Expansion Engine, e os dois grandes cilindros e pistões estão bem visíveis. A partir das caldeiras, ladeadas por partes do casco, podem ser vistas engrenagens e o eixo que segue até o arco do hélice.
Na popa encontramos o hélice, grande e de pás atarracháveis, o leme e seu volante.
Mostrando que a popa era bastante projetada, atrás do leme ainda se encontra uma superestrutura que devia sustentar o convés de popa, nela existem cabeços de amarração e o volante do leme.
 
máquinaspopaproa
 

Agradecimento