NAUFRÁGIO
DO DONA PAULA
 

Histórico
A Dona Paula foi construída na Inglaterra como East Indiaman - Surat Castle para operar sob a licença da East India Company, monopólio concedido pela rainha Elizabeth para o comércio com o oriente.
O castelo de Surat, que deu nome ao navio, foi construído no século XVI pelo sultão de Gujarat nas fundações do forte de Dehli. Por séculos e até hoje, Surat foi conhecida como centro de comércio textíl . Foi o maior porto durante o período Mughal. Do século XVI ao século XIX Portugueses, Ingleses, Franceses e Holandeses estabeleceram fábricas no local e o comércio era fundamental para a cidade.
Em 1825 o navio foi
adaptado a fragata de combate com 38 colubrinas e vendida a Marinha do Brasil.
Fez parte das operações de guerra do Paraguai na bacia do Rio-da-Prata.
Em outubro de 1827 partiu do Rio de Janeiro para a região de Cabo Frio para combater corsários argentinos que atuavam naquela região.
Os corsários eram liderados por Cesar Fournier, a serviço das Províncias Unidas do Rio da Prata (atual Argentina).

 

Fragata similar ao navio Dona Paula
Durante a perseguição, possivelmente ao brigue Oriental Argentino, a Fragata Dona Paula encontrou condições meteorológicas muito adversas, com forte cerração - que é típica no local - e acabou batendo na face interna da ilha dos Franceses (ilha maior) perdendo-se totalmente.
O comandante Cândido Francisco de Brito Vitória e outros oficiais foram submetidos a um conselho de guerra e acabaram condenados pela perda da fragata.
 

DADOS BÁSICOS

Nome do navio: Dona Paula

Data do afundamento: 02.10.1827

LOCALIZAÇÃO

Local: Arraial do Cabo

UF: RJ.

País: Brasil

Posição: Ilha dos Franceses, face nordeste

Latitude: 22° 58' 58.72" Sul

Longitude: 042° 02' 16.47" West

Profundidade mínima: 05 metros

Profundidade máxima: 15 metros

MOTIVO DO AFUNDAMENTO: choque

DADOS TÉCNICOS
Nacionalidade: Brasileira
Ano de Fabricação: 1795
Armador: Marinha do Brasil
Estaleiro: (Inglaterra)
Tipo de embarcação: fragataDeslocamento: 1139 toneladas
Material do casco: madeiraPropulsão: vela

Carga: material bélico

CONDIÇÕES ATUAIS: desmantelado
 

 

Posição do naufrágio
 Descrição
Os destroços estão espalhados por toda a parte interna da enseada formada pelas duas ilhas. Uma grande quantidade de canhões do tipo colubrina e balas de canhão estão amontoadas no fundo, paralelamente ao costão.
Existe uma grande âncora tipo almirantado e um guincho cabestrante. Pequenas peças podem ser vistas entre todas as rochas que cobrem o fundo.
Junto a areia existem algumas partes do casco e cavername, porém já muito enterradas.
 
 
 

Canhão do tipo colubrina

Guincho de Cabestrante