Destino: naufrágio

Com Que Roupa?

Nada pior do que parecer uma "árvore de natal sub"...
Portanto, cuidado com a configuração do equipamento.


 
Revista Mergulho, Ano XII - Nº 142 - Maio/2008
Texto: MaurÝcio Carvalho
 

Quando mergulhadores técnicos começam a conversar, um termo não deixa de aparecer nos primeiros minutos; a tal "Configuração do Equipamento", o assunto é levado tão a sério que alguns exagerados chegam ao limite de considerar quase uma doutrina ou religião. A muito, já virou piada no Brasil a necessidade de alguns mergulhadores em colocar o tapetinho no chão e rezar voltado para Wakula Springs (sistema de Cavernas na Flórida, considerado a meca do mergulho técnico). Alguns se sentem tentados a se chicotear com a mangueira longa, quando algo em sua configuração sai errado...
Calma amigos, nem tanto! Todos os mergulhadores, porém, não importa se técnicos ou apreciadores de peixinhos, devem tomar alguns cuidados básicos com a configuração. Isto é particularmente importante no mergulho em naufrágios.
Mergulhadores recreativos também pisam na bola, e o desleixo com a organização do próprio equipamento, acaba colocando a segurança desses mergulhadores em risco.

 
 

DEFINA OS OBJETIVOS
Pessoas diferentes não buscam os mesmos objetivos no mergulho. Profundidades, visibilidade, temperatura da água, grau de desconforto e/ou risco aceitáveis, variam de pessoa para pessoa e só alguém insano poderia pensar que uma mesma configuração poderia atender a todos os mergulhadores.
Procure ter em mente, e de forma bem clara, o que você busca no mergulho. Do naufrágio mais profundo às rasas águas com peixinhos, todos têm direito ao oceano e devem ser respeitados.
A configuração ideal deverá atender seus objetivos e proporcionar segurança e bem estar.
Por isso, não copie a configuração de ninguém. Aprenda, pense e configure seu equipamento com responsabilidade.

QUEM É VOCÊ ?
Naturalmente que seu perfil físico é muito importante. seria ridículo considerar um cilindro duplo como equipamento ideal para dois mergulhadores; uma moça, com cerca de 50 quilos e um autêntico malhador perto dos 100 quilos.
Respeite seu corpo e terá muitos anos de mergulho (sei de alguns cilindros duplos que estão encostadas, pois os proprietários desenvolveram hérnia de disco!).
Procure examinar o equipamento e verificar se ele atende suas exigências. Os fabricantes não produzem equipamentos para você. Produzem para o mercado, e para agradar gregos e troianos acrescentam itens e acessórios dos mais variados. O resultado é uma miscelânia de opções que não é utilizada pelo mergulhador, mas permanece por lá complicando as coisas.
Um Exemplo clássico são os coletes. Na maioria dos modelos atuais, o número de fivelas, bolsinhos, prendedores, alças e outros pinduricalhos inúteis é tão grande, que o equipamento ganha um irracional volume extra, forçando o mergulhador a nadar com enorme arraste.
Há alguns meses, ganhei um colete novo -
o melhor modelo no mercado, em minha opinião. Mas antes de começar a utilizá-lo, extraí dele 16 itens (!) de diversos tipos, além de acrescentar algumas costuras que não existiam. Conclusão; necessidades pessoais, requerem equipamento personalizado. Invista tempo e atenção em sua segurança.

PEQUENOS CUIDADOS COM GRANDES RESULTADOS
Formando mergulhadores de naufrágio - que na sua grande maioria, já chegam ao curso dominando bem a técnica - ainda foi possível perceber um conjunto de erros clássicos na configuração, que prejudica a performance dos mergulhadores. Também foi fácil notar que pequenas alterações, podem fazer muita diferença.
Vamos dar uma olhadinha em alguns erros de configuração cometidos pelos mergulhadores:

Lastro
O erro mais comum é o excesso de lastro, que impede o bom equilíbrio hidrostático, aumenta o consumo de ar, a fadiga e pode produzir alguns acidentes.
Para chegar a seu lastro mínimo analise uma situação crítica de flutuação: Imagine que você precise fazer uma descompressão a três metros, com o cilindro quase vazio, pulmão cheio (você precisa respirar) e colete vazio. Se nessa situação você estiver equilibrado, não precisará de nem um quilo a mais. Procure diminuir seu lastro.

 

Excesso de acessórios ("Excessórios")
Outro erro comum é a utilização de uma infinidade de equipamentos de uso eventual. Alguns mergulhadores parecem assolados pela Síndrome do "Dive cinto de utilidades" é acabam parecendo uma árvore de natal.
Escolha com cuidado os acessórios que irá realmente precisar. Nem demais, nem de menos. Se não estiver certo do que é preciso, consulte os mergulhadores com experiência no local. Você poderá descobrir que lanternas possantes ou mesmo a carretilha são dispensáveis em um naufrágio desmantelado ou enterrado.

 
 

Tudo pendurado
Um dos mais comprometedores erros em naufrágios, é deixar acessórios, mangueiras e instrumentos afastados do corpo. Equipamentos pendurados, prendem nos destroços, são danificados, perturbam o sedimento e invariavelmente provocam fratura de crânio em um pobre caranguejinho, que nada tem a ver com isso.
Nenhum equipamento deve estar afastado mais de um palmo do mergulhador. Assim garantimos que por onde seus ombros passarem, o restante do corpo também passará.
Roupas de mergulho com bolsos, mosquetões, tiras de elástico ou velcro podem ser soluções práticas e muito eficientes para configurar seu equipamento. Na dúvida, consulte um instrutor competente. Juntos, vocês encontrarão a melhor solução para o seu problema.

Colete
A maioria dos mergulhadores utiliza coletes de tamanho maior que o adequado. O resultado é que o colete não o acompanha o movimento e, manter o equilíbrio hidrostático é quase impossível.
Verifique se não está utilizando seu colete no ajuste máximo. Esta pode ser a indicação que ele é grande demais.
Retire o excesso de acessórios e distribua os demais de forma harmônica, dando preferência as laterais do corpo.

Nadadeiras
Quando você pensa que já passou pelos possíveis pontos de enrosco, ainda falta um dos mais perigosos. Aquela inalcansável sobra das tiras de ajuste das nadadeiras. Fique preso por elas entre destroços e descobrirá como suas pernas são longas.
Evite o risco. Se não quiser cortar o excesso, fixe as sobras à nadadeira com tiras de borracha ou fita adesiva. Se for possível, troque-as pelas molas, que em boa hora invadiram o mercado de mergulho.
A configuração do equipamento deve ser justa, econômica e exata - nada de ficar parecendo uma "'árvore de natal sub"...

 
 
Reguladores
Um dos pontos frágeis da configuração é a distribuição das mangueiras do regulador. A maioria deles possui mangueiras mais longas do que o necessário, principalmente no manômetro e colete, que acabam formando alças e ficando expostas atrás da cabeça e lateral do corpo. Em naufrágios o risco de corte é muito grande.
Providências devem ser tomadas. Utilize protetores de mangueira, ou ainda melhor, compre mangueiras do tamanho exato para permanecerem junto ao corpo.
Escolher um regulador com melhor distribuição das mangueiras pode evitar alguns sustos. Caso seu regulador tenha mangueiras em configuração de oposição (90º), a opções é a utilização de um Swivel - pequeno acessório que desvia a direção da mangueira, deixando-as mais perto do corpo.

 

 

 

Curso de Mergulho em Naufrágios

 

Maurício Carvalho é biólogo, instrutor especialista em naufrágios, autor do SINAU (Sistema de Identificação de Naufrágios) e responsável pelo site Naufrágios do Brasil.

 

voltar a biblioteca