NAUFRÁGIO
COMMANDANTE PESSOA
 

Histórico:
Navio era conhecido como Hog Islanders, pois foi construído originalmente sob o nº 64 da série 122 da American Internacional Shipbuilding" Company. Lançado no final de 1919 como Cliffwood, foi entregue para o gerenciamento da armadora americana Southern States Lines, onde serviu por 10 anos seguidos servindo as rotas da América Central.
Em 1930 o Cliffwood foi adquirido pela American Scantic Line. O navio foi então reformado ligeiramente e empregado na linha entre Nova Iorque-Copenhague e portos do Mar Báltico. No finail da década de 30 foi rebatizado com o nome de Mormacsea.

 

Hog Islanders - tipo A (Cargueiro)
Pequena ilha fluvial na Filadélfia, onde estava estabelecida a empresa United States Shipping Company, incumbida de produzir navios em massa, devido as necessidades
impostas pela 1ª Guerra Mundial.
 

Commandante Pessoa

 
Em outubro de 1939 o governo Brasileiro, em um plano de revitalização da navegação do Brasil, financiou ao Lloyde Brasileiro a compra de treze navios da série Hog Islanderes.
Eles possuíam tonelagem bruta entre 5,400 e 5,800 toneladas. Eram do tipo de desenho clássico, com três castelos, uma única chaminé‚ e dois mastros com 11 páus-de-carga. Os cascos eram divididos em dois decks e cinco porões.
O maquinário era constituído por uma turbina-a-vapor e uma única hélice, permitindo velocidades de cruzeiro próximas a 10 nós.
Em 1940 o navio é vendido ao Lloyde Brasileiro e rebatizdo Commandante Pessoa.
 

DADOS BÁSICOS

Nome do navio: Commandante Pessoa

Data do afundamento: 02.09.1954

LOCALIZAÇÃO

Local: Natal

UF: RN.

País: Brasil

Posição: 12,2 milhas da praia de Rio do Fogo, próximo a cidade de Touros. norte da Risca do Zumbi.

Latitude: 05 08.723' Sul

Longitude: 035 13.104' West

Profund. mínima: 22 metros

Profund. máxima: 27 metros

CONDIÇÕES ATUAIS: desmantelado.

DADOS TÉCNICOS
Nacionalidade: Brasileira
Estaleiro: American International Shipbilding Comp.
Armador: Lloyd Brasileiro
Comprimento: 122,3 metrosBoca: 16,5 metros
Tipo de embarcação: Cargueiro
Material do casco: açoPropulsão :hélice

Carga: sal.

MOTIVO DO AFUNDAMENTO: Chocou-se com a Risca do Zumbi.
 

Naufrágio:
A meia noite do dia 04 de maio de 1954 o vapor, que procedia de Areia Branca, RN, com um carregamento de sal, destinado ao Recife, chocou-se com um arrecife ao largo do Cabo de São Roque conhecido como Risca do Zumbi, no mesmo estado e permaneceu encalhado.
Após o encalhe foi emitido um pedido socorro, respondido pelo petroleiro inglês San Salvador que seguia para curaçao. O petroleiro logo se cercou do local do acidente. Com o amanhecer, 32 dos 46 tripulntes foram passados ao San Salvador, permanecendo a bordo o comandante Borges e 13 auxilires.
A Marinha enviou o caça submarino Piranha e o rebocador Triunfo para auxiliar no salvamento.
A FAB enviou de Natal um avião, que ao regressar comunicou que o navio estava sendo rebocado. Cada vez mais alagado, os últimos tripulantes passaram ao navio auxiliar Pirangi, não havendo vítimas.
Os comandantes da época costumavam navegar entre a risca e o continente, para ter o
visual da costa, mas alguns preferiam o curso mais seguro, já que a risca era pouco

 

O incrível colorido do naufrágio
impressiona os mergulhadores
mapeada e circulavam por fora. Aparentemente o comandante Andrade, não abriu o suficiente.
O Commandante Pessoa rompeu o primeiro porào e a praça de máquinas, devendo ter recebido muita água junto à carga de sal, o que agravou sua condição de flutuabilidade, o cargueiro estava irremediavelmente perdido
, naufragando pela madrugada.
 

 
Esponjas tubulares amarelas
colonizam todos os destroços
O leme virado para boreste
e a inserçõo do hélice removido
Cardumes de enxadas cercam o
naufrágio por todos os lados
 

 
Descrição:
 
O Comandante Pessoa está distribuído em três grandes porções.
Da popa até a meia-nau, na altura da casa de máquinas, o casco está emborcado para boreste. Junto à popa existem algumas aberturas e um cabeço de amarração já caído sobre a areia.
A popa, voltada para a superfície à cerca de 23 metros, possui um leme, o hélice foi removido, junto a sua inserção no casco.
 
 
Seguindo-se em direção a meia-nau poucas
Separação entre popa e proa
 
Pilhas de casco dos porões de proa
estruturas estão visíveis. No meio do navio existe
uma grande abertura que dá acesso à casa de máquinas. Por essa abertura pode se seguir em direção à popa, por onde um rasgo dá acesso ao exterior pouco antes do hélice. Na direção a proa está o motor diesel, que possui um compartimento circular a frente da turbina, muitas vezes confundido com uma caldeira.
 
MastroEstiva de porãoPassagem para a popaPassagem para a sala de máquinasMastroMastroMastroGuincho de âncoraMastroGuincho de cargaCabeço-de-amarraçãoCabeço-de-amarraçãoÂncora HalkinsLeme e inserção do héliceCabeço-de-amarraçãoGuincho de carga
 
Cabeço-de-amarração
 
O segundo segmento do navio e formado pela proa da embarcação, que está adernada para boreste. Muito pouco sobrou dessa estrutura evidenciando um possível choque com o fundo. Um pequeno mastro está caído na areia, além disso, podem ser vistos: um guincho, dois cabeços de amarração, os escovéns e no de bombordo a âncora ainda encaixada. Uma parte do casco de bombordo está apoiada em pé no fundo e forma uma verdadeira parede que separa a proa da terceira seção dos destroços atingindo 18 metros.
A terceira parte dos destroços é formada por um grande empilhamento de casco, existe uma grande seção ainda intacta de porão. Sobre o fundo duas grandes estivas de porão e restos dos mastros assinalam que nesta região estavam provavelmente os dois primeiros porões, que devem ter sido quebrados no choque contra o fundo.
Todo o casco está coberto por uma quantidade enorme de esponjas tubulares amarelas deixnado o naufrágio muito colorido.
 
 
 
 
No meio do casco emborcado está a abertura que dá acesso a um túnel com saída na popa e a casa de máquinas,
onde estão a turbina, o motor e um grande tanque de combustível.
 
Todo o costado oscila com a corrente podendo cair a qualquer momento. No detalhe pode ser visto os três sulcos formdos pelo cavername ao oscilar na seção do casco
O cenário é incrível
 
 

 
Veja mais detalhes na Matéria da Revista Mergulho Nº 140, março de 2008.
 
Agradecimentos: