NAUFRÁGIO MINUANO
 
Histórico:
Após um ano de preparação, o mergulhador Joel Calado, proprietário da escola de mergulho Projeto Mar de Recife, conseguiu um grande feito; o afundamento simultâneo de três rebocadores. Tudo feito de forma oficial e com todas as autorizações necessárias.
A equipe do Projeto Mar coordenou o evento no qual também participaram o Corpo de Bombeiros, o Ibama, a Capitania dos Portos de Pernambuco.
O Projeto Mar arcou com cerca de R$ 13.000,00 pagos a empresa Wilson, sons, dona dos três rebocadores, Servemar X, Minuano e Lupus.
Os rebocadores foram limpos de contaminantes, eliminando vestígios de óleo e outras substâncias quaisquer que pudessem se desprender e poluir o mar. Com o amanhecer do dia lentamente um rebocador da Wilson & Sons rebocou os três irmãos em sua última viagem, em direção ao local previamente escolhido, devido a suas correntes marinhas, profundidade e marés.
Afundado o Servemar X, o segundo navio posto a pique também por abertura das válvulas, foi o Minuano. Ele foi a pique em menos de 30 minutos e repousou a 32 metros de profundidade.
 

DADOS BÁSICOS

Nome do navio: Minuano

Data do afundamento: 18.01.2002

LOCALIZAÇÃO

Local:Recife

UF:PE.

País:Brasil

Posição:A 10 milhas da costa da praia de Boa Viagem, Recife.

Latitude:08 10' 6" S

Longitude:034 44' 48"W

Profund. mínima:28 metros

Profund. máxima:32 metros

MOTIVO DO AFUNDAMENTO:Acidentes diversos

CONDIÇÕES ATUAIS: Inteiro
DADOS TÉCNICOS
Nacionalidade:Brasileira
Ano de Fabricação: 1955
Armador:Wilson, sons (Saveiros, Camuyrano S.A).
Estaleiro:M. V. Holland Nautic Haariem (Holanda).
Tipo de embarcação:rebocador
Comp.: 23,7 metrosBoca: 5,68 metrosCalado: 2,6 metros
Deslocamento: 86,6 toneladas
Material do casco: açoPropulsão:motor diesel
Carga: vazio
 

 


Nome no bordo de proa.

Descrição
O Minuano está apoiado sobre a quilha. Na proa existe um reforço utilizado para empurrar outros navios e dois cabeço de amarração. Ainda pode ser lido no casco o nome da embarcação.
A cabine de proa, no convés, possui duas portas ligando-se com uma sala. Dela, podemos descer por uma escotilha para o porão de proa. Não há escadas e o porão está totalmente no escuro. Outra escotilha liga esta sala com a cabine de comando acima dela.
Na cabine de comando podem ser vistos os restos do comando do leme e painéis elétricos.
Atrás da cabine de comando, encontra-se um pequeno mastro cortado.
 


 
A chaminé foi retirada juntamente com as máquinas, permanecendo uma grande abertura onde ela estava posicionada. No casario do convés existem duas portas que dão origem a outros compartimentos vazios.
No convés de popa uma grande abertura foi o que sobrou da casa de máquinas, inteiramente vazia. Da sala de máquinas para a popa existem dois sistemas de apóio para cabo. Junto a popa duas escotilhas comunicam o convés com o porão de popa.
O hélice posicionado dentro de um tubo e o leme, totalmente virado para bombordo podem ser vistos na popa. Apesar de naufrágio intencional o Minuano guarda intacta toda sua estrutura e as principais peças.
 

Válvulas de porão; abertas para o afundamento.
 

Hélice, leme e proteção tubular

Lateral da cabine com visão da proa.

Visão da proa da cabine de comando
 

 
Agradecimentos:
Joel Calado e equipe

 

 

Porão de fácil penetração Cabeço-de-amarração Cabeço-de-amarração Cabeço-de-amarração Cunho Passagem de um lado ao outro do casario e salas estreitas. Hélice protegino está no local.