O contratorpedeiro Bauru foi construído pelo estaleiro Federal Shipbuilding & Drydock Co., em Newark, New Jersey (EUA), para a Marinha Americana, sendo lançado ao mar em setembro de 1943, com o nome de USS McAnn.
Com um comprimento de 93.2 metros, 11 metros de boca e 6.09 metros de calado, servia bem a função de patrulhamento, detecção e caça aos submarinos do eixo que ameaçavem o transporte do precioso material do esforço de guerra dos aliados.
Seus quatro motores diesel da General Motors, permitiam um deslocamento carregado de 1.623 toneladas a uma velocidade máxima de 21 nós.

Sua tripulação regular era de 216 homens.


Durante a Segunda Guerra Mundial, o navio participou de
diversas missões de patrulhamento, comboio e transporte

 

Durante a Segunda Guerra Mundial como
USS McAnn

de tropas e patrulhamento.

Em agosto de 1944 foi transferido por empréstimo a Marinha do Brasil e batizado como Bauru, sendo transferido definitivamente ao Brasil em 1953, cumprindo ao longo desses anos diversas missões.
Em 1964 teve seu armamento removido, passando a ser classificado como Aviso Oceânico. a partir daí recebeu missões de apoio aos farois, treinamento de Aprendizes-Marinheiros e patrulha nos rios da Amazônia.
Deu baixa da Marinha do Brasil em setembro de 1981.
Em 1982, após reformas e readaptação as características originais, foi transformado em Navio-museu e aberto à visitação pública no Rio de Janeiro, com interessante acervo sobre a participação da Marinha na Segunda Guerra Mundial.

 
O navio encontra-se aberto ao público no cais do Espaço Cultural da Marinha no centro do Rio de Janeiro. Após nova reforma, em 2010, seu interior e sala de comando não mais estão disponíveis a visitação. Apenas o convés principal e o primeiro andar da superestrutura, onde estão as principais armas do navio, podem ser acessados.
 

 
Naufrágios

Alguns dos navios naufragados no Brasil que possuiam características de armação e equipamentos semelhantes ao Bauru são:

 

Camaquã - Recife, PE., naufragou em 1944.
Corveta Ipiranga V-17 - Fernando de Noronha, naufragou em 1983.

 

 
.
No proa, o canhão de 3 polegadas (76.2 mm.)
e o lançador de granadas (Hedgehogs)
 
Na popa, duas calhas de lançamento de cargas
de profundidade MK 3
 

Convés de popa, onde ficavam armazenadas as cargas de profundidade.
Abaixo dele, exite um grande alojamento para transporte de material e soldados
.

Na torre de popa um dos canhões
de 3 polegadas
(76.2 mm.) .
Nos dois bordos estão os acessos ao casario e lançadores de cargas de profundidade MK 6.

 

 

Armamento do Contratorpedeiro Bauru quando foi entregue ao Brasil em 1944

 


Três canhões de 3 polegadas (76.2 mm.)


Dois canhões Bofors 40 mm.

Oito metralhadoras Oerlikon 20 mm.
 

Lançadores de Granadas anti submarinos (Hedgehogs)
 


Três tubos de torpedo de 21 polegadas (533 mm.)

 

Oito lançadores laterais para cargas de profundidade
 

Duas calhas de cargas de profundidade na popa
 


.......................VISITAÇÃO
De quinta-feira a domingo, das 12h às 17h.
Espaço Cultural da Marinha
- Entrada Franca
Av. Alfredo Agache, s/n, Centro, Praça XV.
Rio de Janeiro, RJ.
Telefone: 2104-6191

 


Outras matérias sobre o Bauru

Navios de guerra do Brasil
Navios Museu Bauru
- Marinha do Brasil


 
Consulte nosso guia de estruturas de vapores e conheça mais sobre sua construção e características, caso deseje identificar as peças pelo visual utilize o esquema na página de Navios à vapor.
 


Navios a Vapor