U-20 Cisne Branco

 

Na Marinha do Brasil este belo veleiro é a terceira embarcação de treinamento dos Guardas-Marinha a ostentar esse nome. O primeiro, um veleiro de madeira de 24 metros e dois mastros; o segundo com 25 metros, possuia mastro e casco em alumínio. Este terceiro veleiro, com 76 metros substituiu seu antecessor na função de treinamento em 2000.
Foi construído pelo estaleiro Damen da Holanda e lançado ao mar em agosto de 1999.

O Cisne Branco é um veleiro armado a Galera em uma réplica das galeras do século XIX, mas sua silhueta foi inspirada nos Clippers; o que quer dizer que possui três mastros, além da caranguejeira e gurupés. Possui 32 velas com uma área vélica máxima de 2.195 m2, atingindo 7,5 nós.
Seu deslocamento é de 1.038 toneladas totalmente carregado; possuindo as dimensões de 76 m de comprimento; 10,6 m de boca; 4,80 m de calado.

 
 
O formato de Clipper tem como característica a forma afilada do casco e a grande área vélica.
O casco é baixo em relação a linha da água e a proa bastante agressiva.

 
A popa muito projetada esconde o grande leme, necessário as manobras da embarcação a vela.

 

 
Naufrágios

Alguns dos navios naufragados no Brasil que possuiam características de armação e equipamentos semelhantes ao Cisne Branco são:

 

Imperial Marinheiro - Espírito Santo - naufragou em 1887.
Dona Paula - Rio de Janeiro - naufragou em 1827.
Duncan Dumbar - Atol das Rocas - naufragou em 1865 .

 

 
Na popa, o primeiro conjunto de timãos, que pode ser simples ou dupla e a bitácula de bússola.
 

Um dos dois sinos do navio, freqüentemente levam o nome da embarcação.
 

Do lado de cada mastro um par de guinchos do tipo cabrestrantes, servem para o ajuste dos cabos.
Cabrestante como no Dona Paula
 
No centro da embarcação um segundo conjunto de timão. Pode ser visto o cachimbo de ventilação.

 

O casario central apresenta cobertas sobre o convés.

 
No convés principal muito espaço, junto aos bordos, para as manobras com os cabos da mastreação.
 
Os cordames dos mastros estão presos junto a murada, por travessas de madeira ou bronze chamadas malaguetas, como as encontradas no Vilar Flor.
 
No alto do mastro grande a Gávea garante bom ponto de observação.

 
Na proa o convés é elevado (castelo de proa), protegendo o convés da ação das ondas.
Pode ser visto um pequeno canhão para salvas de comunicação.
 
Na proa, pode ser visto o escoven, firmemente preso ao casco.
Âncoras Hawkins como as do Harlingen


 

U-20 Cisne Branco - Marinha do Brasil
Navio Veleiro Cisne Branco - Marinha do Brasil
Navios de Guerra do Brasil
 

 
Consulte nosso guia de estruturas de vapores e conheça mais sobre sua construção e características, caso deseje identificar as peças pelo visual utilize o esquema na página de Navios à vapor.
 


Navios a Vapor