Nadezhda

 

O Nadezhda, que significa Esperança em russo, é o segundo navio com esta construção a equipar a Marinha Russa. O primeiro realizou a expedição de volta ao mundo de 1803 a 1806, passsando pelo Brasil em 1804: nessa expedição foram levantadas importantes dados de meteorologia e oceanografia.

O segundo Nadezhda foi construido em 1991 nos estaleiros de Stocznia Gdansk, sendo uma réplica dos veleiros do século XIX, servindo aos mesmos propósitos de seu antecessor. A segunda viagem de volta ao mundo iniciou-se em 2003 com previsào de término para 2004.

Este belo veleiro de 109,4 metros de comprimento e de 14,0 metros de boca, com mais de 2984 Toneladas. Construido como um brigue armado de três grandes mastros com área vélica de mais de 2768 metros quadrados. O maior dos mastros atinge mais de 49,5 metros.

 

 

 


 
 
 
O formato de Brigue caracteriza-se por um casco com maior boca e a presença de castelos de proa, meia nau e popa. A área vélica é grande. O Gurupés se projeta a partir de seu apóio na proa, como pode ser visto no Blackadder em Salvador.
 

 
Naufrágios

Alguns dos navios naufragados no Brasil que possuiam características de armação e equipamentos semelhantes ao Cisne Branco são:

Queimado - Paraíba - naufragou em 1873.
Vênus - Parcel Manoel Luís - naufragou em 1914.

 

 
Na casaria central está a cabine de comando com Timão, bitácula de bússola e um dos sinos do navio.
 
O casario central apresenta cobertas sobre o convés.
 
Parte dos cordames dos mastros estão presos junto a murada, e prte deles estão na base do mastro fixados por malaguetas.  
O mastro grande possui três gávea em níveis diferentes.
Uma gávea pode ser vista no naufrágio da Parnaioca, no Rio de Janeiro
 

Na convés de proa está a âncora Hawkins reserva, fixada em pé.

 
A proa deste veleiro não possui o castelo de proa, mas é elevada em inclinação suave, aumentando a proteção contra as ondas de proa.
Logo antes do guincho pode ser visto o segundo sino do navio
 

O guincho por trás da estrutura amarela, desenrola as correntes diretamente para o orifício do escovêm. Dois grandes cabeços guarnecem a proa, a frente do guincho.
O guincho é semelhante ao do navio Paraná ao largo de Jauá em Salvador.

 

 
Nadezhda - Marinha Russa
Os cabeços de amarração possuem pequenos aletas junto a base, para retenção do cabo, semelhantes ao do naufrágio do Rosalinda.
Nadezhda - Foto galeria
 
 

 
Consulte nosso guia de estruturas de vapores e conheça mais sobre sua construção e características, caso deseje identificar as peças pelo visual utilize o esquema na página de Navios à vapor.
 

Navios a Vapor