NAUFRÁGIO SAVEIROS
 
Histórico
O Saveiros era um rebocador de porte médio, utilizado em serviços gerais nos portos atendidos pela companhia Wilson, Sons.
Junto com o Mercurius, o Saveiros teve importante papel no reboque do vão central da Ponte Rio-Niterói na década de 70.
Eles atuaram em Recife e Suape. Nos últimos anos de serviço esteve atuando no porto de Cabedelo, PB., terminando suas operações em 2004. Devido ao desgaste dos mais de 30 anos de serviço, nesse mesmo ano foi descomissionado e enviado para Recife.
Em 2006 foi doado pela companhia, junto com o Mercurius e o Taurus, ao projeto de formação de Recifes Artificiais da cidade de Recife.
Com a equipe da operadora Aquáticos de Recife fomos conhecer o novo rebocador.
 
 

DADOS BÁSICOS

Nome do navio: Saveiros

Data do afundamento: 03.05.2006

LOCALIZAÇÃO

Local: Recife

UF: PE.

País: Brasil

Posição: A 8 milhas da costa, em frente a praia de Boa Viagem, Recife.

Latitude: 08 04. 517' Sul

Longitude: 034 44.327' West

Profund. mínima: 18 metros

Profund. máxima: 28 metros

MOTIVO DO AFUNDAMENTO: Formação de recife artificial

DADOS TÉCNICOS
Nacionalidade: Brasileira
Ano de Fabricação: 1969
Armador: Wilson, Sons. (Sobrare Servemar S.A.)
Estaleiro:
Tipo de embarcação: rebocador
Comprimento: 29,1 metrosBoca: 7,4 metros
Deslocamento: 270 toneladas Material do casco: aço
Propulsão: motor diesel Carga: vazio

CONDIÇÕES ATUAIS: Inteiro

 
 
 Preparação
O naufrágio do Saveiros, assim como o Taurus e o Mercurius estão ligados ao projeto de formação do Parque de Naufrágios Artificiais no litoral de Recife, PE.
Os afundamentos foram uma realização da AEMPE - Associação das Empresas de Mergulho do Estado de Pernambuco e contou com a participação das universidades UFRPE (Universidade Federal Rural de Pernambuco), UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) UPE (Universidade de Pernambuco) e UFC (Universidade Federal do Ceará), que estão fazendo o acompanhamento do processo de
 
 
colonização, ocupação biológica e impacto ambiental.
A empresa Wilson, sons, através de seu representante Sr. Helio Vaisman, doou três rebocadores, Taurus, Saveiros e Mercurius à AEMPE; arcando também com os custos de preparação, limpeza e logística de reboque das embarcações até os pontos determinados para o afundamento.
Cabe lembrar, que a mesma empresa Wilson, sons já havia doado quatro outros rebocadores, que também foram afundados em frente ao Recife, são eles; Lupus, Minuano, Servemar X.


Durante a preparação no pier da
Wilson, sons em Recife,em seqüência
Mercurius, Saveiros e Taurus.
Após cinco meses de apreciação do projeto pelo IBAMA, Marinha do Brasil e CPRH, foram concedidas as autorizações necessárias e no dia 03 de maio de 2006, as três embarcações foram afundadas ao largo do litoral e em frente a Recife.

 

Durante as etapas de preparação estive nos rebocadores, onde o amigo José Mário da Wilson, Sons
atenciosamente me explicou os trabalhos de limpeza e preparação que foram realizados.
 
 
Cabine de comando já aberta e limpa.
 
Porão de proa, já sem o revestimnto térmico e a pintura.
 
Porão com tratamento químico para a remoção
dos resíduos de óleo.
 
O convés de popa, com o compartimento da
sala de máquinas aberto.
 

 
Afundamento:
Os três rebocadores foram levados a reboque até as posições predeterminadas e fixados ao fundo por poitas de concreto. Abertas as válvulas, à água rapidamente encheu os porões e o mar atingiu as aberturas feitas no casco, os rebocadores afundaram rapidamente.
O Saveiros e o Taurus foram imediatamente abertos a visitação dos mergulhadores.
Já o Mercurius, idêntico ao Saveiros, permanecerá durante um ano, com a visitação restrita a pesquisadores devidamente autorizados. Esse processo permitirá uma boa comparação do impacto ambiental provocado por mergulhadores; já que são navios iguais, com a mesma data de afundamento, mesma profundidade, distantes apenas em 1 milha.
 
 
 
Abertas as válvulas a água do mar penetrou até atingir as aberturas do casco e o Saveiros afundou rapidamente.
 

 

Navio do Gás Marte Draga da Massangana Galeão São Paulo Areeiro Vapor de Baixo Pirapama Reboque Chata de Noronha Camaquã Vapor Bahia Descrição
O Saveiros encontra-se apoiado corretamente no fundo praticamente intacto. No fundo a frente da proa, está caída uma poita que foi utilizada para estabilizar a embarcação durante o afundamento.

 

 

Penetrando-se na casa de máquinas encontramos por bombordo uma escda que da acesso a cabine de proa. Compartimento do volante do leme.Entrada para o compartimento da sala de máquinas e para a cabine de comando.
 
Na proa estão cabeços de amarração, uma escotilha e as marcas de inserção do guincho de âncora. O casario está inteiro e a cabine de comando está completamente limpa. No fly bridge existe uma mesa e parte do mastro de comunicação.
Seguindo-se para a popa está a chaminé, com uma abertura de cada lado. Na parte de baixo do casario existem portas em ambos os bordos que dão acesso, através de uma escada, ao compartimento da sala de máquinas.
Na popa, o gato de reboque e toda a cobertura da sala de máquinas foram retirados, deixando ampla abertura para penetração. Em cada uma das laterais da sala de máquinas foi aberta no casco uma janela que também permite uma passagem, embora mais restrita, de mergulhadores.
 
No final do rebocador foi aberta a tampa da sala do comando do leme. O hélice interno ao ducto está no local.
 
No Saveiros a fauna de peixes e outros animais já é muito freqüente e variada.
  
Na popa, a visão do compartimento do comando do leme.
Vista da cabine de comando para a popa.
A esquerda pode ser vista parte da chaminé.
 

O hélice dentro do ducto que permite a mudança rápida
de direção dos rebocadores.

 

 
Nossos agradecimentos aos colaboradores da matéria
  
Agradecimentos a equipe da