Shinkoku Maru

Chuuk Lagoon

Micronésia - janeiro de 2017
 

Naufrágios de Chuuk Lagoon

Amagisan Maru, Betty Bomber G4M1, Fujikawa Maru , Fumitzuki Destroyer, Heain Maru, Hoki Maru, I - 169 Submarino ,
Kensho maru,
Kiyosumi Maru, Nippo Maru, Rio de Janeiro Maru, San Francisco Maru, Sankisan Maru,Yamagiri Maru

Outros naufrágios de Chuuk Lagoon


 
Histórico

O navio tanque Shinkoku Maru foi construído em 1939 nos estaleiros da
Kawasaki Heavy Industrie para a armadora Kobe Sanbashi K.K. O nome Shinkoku significa “país divino“ e "Maru" navio comercial. Com suas 10.020 toneladas sua primeira função, antes do embargo americano ao Japão no pré guerra, era o transporte de petróleo entre os dois países.
Em 1941 o navio foi requisitado pela marinha imperial e utilizado como navio tanque da unidad
e de ataque aéreo com mais oito petroleiros, tendo participado da força de ataque do Almirante Chuichi Nagumo a Pearl Harbor.
Em um período de seis meses ele participou das forças de ataque em Rabaul (Nova Guiné), as ilhas de Ambon, Darwin, Java, Columbo, Trincomalee e finalmente a batalha de Midway. Depois passou a transportar combustível e derivados entre ilhas dominadas pelo império japonês.

Transportou óleo de Balikpapan, Palembang, Surabaya e Cingapura para a frota em Chuuk. Em agosto de 1942 foi torpedeado pelo USS Gudgeon com pequenos danos, em julho de 1943 foi novamente atingido por um torpedo, possivelmente do USS Peto, exigindo reparos em Cingapura.

 



O Ataque

 
Dimensões: 152 x 19,5 X 11,2 metros / Tonelagem bruta: 10.020 toneladas
Construção: 1939, Kawasaki Heavy Industries - Kobe
Tipo: navio tanque / Máquinas: 1 motor diesel, 11,5 n.h.p., 19,8 nós
Armamento: 2 canhões (proa e popa)

O Shinkoku Maru chegou a Chuuk Lagoon no dia 14 de fevereiro e estava ancorado a noroeste da ilha Fefan sofrendo reparos.
No dia 17 de fevereiro de 1944 iniciou-se o ataque americano conhecido como
operação Hailstone, ele no início da ação o Shinkoku Maru foi atacado por um bombardeiro de mergulho Dauntless do USS Yorktown que o atingiu com uma bomba direta a meia-nau. Ela abriu um enorme buraco na sala de máquinas. Em um segundo ataque, seis torpedos dos aviões do USS Bunker Hill foram lançados, mas todos erraram o alvo.
Na manhã do dia 18, um avião Grumman Avengers o atingiu com torpedos na linha d’água do costado de bombordo, na altura da sala de máquinas, abrindo um enorme rombo, que condenaria o navio. O Shinkoku Maru afundou antes do final da tarde.

     

 
Os telégrafos de máquinas estão espalhados na proa, ponte de comando e popa,
colonizados por anêmonas e seus peixes palhaço
 
Mapas segundo Daniel E. Bailey - World War II Wrecks of Truk Lagoon,
2000 North Valley Diver Publication
 

 

Mergulho - Profundidade: de 12 a 38 metros

O Sinkoku Maru foi descoberto em 1971 na posição latitude 7° 24' 00.4" norte e longitude 151° 46' 44.8" leste (datun WGS84) e é o segundo maior navio de Chuuk Lagoon e ainda vaza algum óleo.
Ele está apoiado no fundo a 38 metros em sua posição de navegação.
Na plataforma de proa existe um canhão e ao lado uma âncora reserva. Ao longo do convés a 20 metros de profundidade, existem diversas escotilhas que dão acesso aos tanques de óleo. Embora estejam vazios, são muito escuros e apresentam lodo de petróleo.
São duas superestruturas. Na primeira a meia-nau fica a ponte de comando, nela estão 3 telégrafos de máquinas, bússola e timão, abaixo dela, cabines da tripulação, salas de banho com grandes banheiras de azulejos brancos e onde estão alguns crânios e sanitários.
Entre as duas superestruturas existe o sistema de bombeamento do óleo e uma plataforma e encanamento que se prolongam até o casario de popa.
A segunda superestrutura está quase a ré a 12 metros de profundidade. Atrás da chaminé, está a abertura através de uma gaiuta para acessar a sala de máquinas, mas ela também pode ser atingida por uma abertura no casco de bombordo causado por uma bomba, o motor apresenta muito espaço em torno.
Existe um grande canhão na plataforma de popa, o hélice e leme ainda estão em seus lugares.
A fauna nesse navio é muito variada e, além de muitos peixes roco-coralíneos, corais, anêmonas e gorgônias, diversos peixes de passagens circulam em volta do navio no nível do convés.

Shinkoku Maru
Medidas -
152 metros / 10.020 toneladas
Construção: 1939
Afundamento - 18.02.1944

 

 

Croqui do Capt. Lance Higgs S.S. Thorfinn - modificado
 
A ponte de comando, que se estende de um bordo ao outro, ainda muito bem conservada apresenta três telégrafos de máquinas, timão e bússola
 
Abaixo da ponte de comando existem banheiros e salas de banhos com as tradicionais banheiras
 
Faça seu Curso de Mergulho em Naufrágio com quem se dedica a atividade

Um mergulho na história muito antes das bolhas


Instrutor: Maurício Carvalho - 30 anos de experiência - Especialidade levada a sério!
 
Espalhado pelos conveses estão muitos artefatos do navio, como a caixa de primeiro socorros a esquerda
Telégrafo de máquinas
 

A penetração

A frente da chaminé existem gaiútas que dão acesso a parte superior da sala de máquinas. No costado de bombordo na linha do casario e a cerca de 25 metros existe um rombo por onde existe o acesso inferior a sala de máquinas. A entrada não é muito grande, da passagem folgada para um mergulhador, mas não para dois. O percurso executado pelo guia local tinha aproximadamente 100 metros de extensão, sempre estreito e com diversa mudanças de direção e de andar dentro dos destroços em uma penetração de 3º grau.
Ela se inicia por uma sala de bombas, na primeira virada está uma sala com compressores, chegando-se ao compartimento dos motores, geradores e baterias, depois de outra virada. o retorno é feito por um compartimento superior onde estão os quadros elétricos. Em nenhum momento havia luz no interior da sala de máquinas e também não localizei a saída superior.
Infelizmente não são colocados cabos guias e existe muita suspensão. Com certeza não foi a penetração mais segura que já fiz. Recomendo prudência e antes de tentar a penetração combinar com o guia local os limites que você deseja atingir. Com certeza é uma penetração para quem tem muita experiência, domina o equipamento e faz muita questão de estar e locais escuros e apertados.

 
A sala de máquinas apresenta uma penetração longa, os guias fazem um circuito pelo interior dos destroços de cerca de 15 minutos,
passando por três andares, passagens estritas e vários bolsões de sedimento.
Não considero uma penetração das mais seguras, no estágio de desmonte do navio principalmente para mergulhadores que não conhecem o caminho
 
No percurso a natação ocorre sobre um dos motores do Shinkoku Maru e ao lado do outro
Quadro elétrico logo na saída do percurso
 
Como nos demais naufrágios de Chuuk Lagoon existe uma grande variedade de peixes, corais anêmonas e gorgônias.
Anêmona bola aberta durante o dia e fechada a noite
 
Peixe leão e diversos peixes borboletas se espalham pelos destroços
Peixes de passagem cruzam o convés constantemente
 

 

Volta a página de Chuuk Lagoon

Living aboard Odyssey
 
s